Páginas

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Querida Sofia

(Esta é a carta que a Madalena não chegou a entregar à sua querida filha Sofia, uma criança com um coração tão grande quanto o do seu avô, que aceitou um irmão adotado como se desde pequena o conhecesse e que só queria ver os seus pais juntos, e felizes, para sempre.)

Para a minha querida filha Sofia

Tem um bom dia, meu amor. Um dia tão bonito quanto o teu sorriso neste despertar. Acorda bem-disposta, veste-te, toma um bom-pequeno almoço e voa para longe de mim, para junto de todos aqueles que também te merecem ter. Vai com cuidado e, por favor, não te desconcentres na estrada: tens de olhar sempre para a esquerda e para a direita, e não te esqueças de que não é por ser uma passadeira que te podes aventurar num chão feito de zebras. Aprende muito, aliás, esforça-te para que nenhum dia seja em vão, para que o teu acordar não seja "por nada". Diverte-te, brinca, salta o mais alto que conseguires e não desistas só porque te dizem que jamais tocarás nas nuvens; respeita-te e respeita os outros, e recorda-te sempre de que a tua liberdade acaba onde a do próximo começa. Ri-te muito e faz os outros rir, como só tu sabes! Não excluas e não deixes que ninguém te ponha de parte. Basta seres tu própria: alegre, cheia de vida. Ensinar-te-ei mais tarde que nunca poderemos agradar a todos e que, por isso, é normal que nem todos aqueles com quem te cruzas sejam teus amigos para "todo o sempre", como nas histórias de encantar.
Quem me dera ter a tua idade de novo e ser assim, tão apaixonada, tão genuína. Com a idade vamos perdendo a nossa ingenuidade, vamos deixando de acreditar nos nossos sonhos, porque a ciência substitui a esperança no impossível, e começamos a ter uma visão muito menos colorida que a tua. Que isso demore a chegar, minha querida Sofia. Que continues a desejar, mais que tudo, um dia ser uma princesa, e que não te pareça impossível ser médica, cabeleireira e jardineira ao mesmo tempo. Que continues a amar os animais e que te emociones cada vez que o teu irmão te abraçar com força. Que sejas sempre solidária como até agora foste, e que me contes sempre o teu dia quando chegares da escola. Sem omissões, sem medo que, por algum motivo, te repreenda. Que continues a não distinguir as cores, porque isso só traz problemas, e que acredites para sempre que, no Mundo, só há pessoas boas. Espero que, por muitos anos, me vejas como uma heroína e ao teu pai como o super-herói mais admirado de toda a cidade e que, mesmo que tenhas mil e um amigos, e pessoas com quem amarás estar, jamais prefiras o café ao conforto do nosso sofá azul onde tantas vezes te contámos histórias. Quem me dera poder proteger-te para sempre, e deixar-te aqui, no sítio mais seguro do Mundo, perto de mim, do papá João e do Pedro. Se eu pudesse!
Mas não posso. E nós, mães, queremos inconscientemente que os nossos bebés, que para nós nunca o deixam de ser, fiquem connosco, para que cuidemos deles, para que, mais tarde, eles cuidem de nós. Mas a vida é uma estrada, com tantos quilómetros quantos aqueles que eu percorria por ti, e eu sei que tenho de te deixar ir. Sei que tens de fazer alguns percursos sem mim; outros precisarás que esteja ao teu lado, a apoiar as tuas decisões. Sei de tudo isto, mas mesmo assim custa, e cada vez que penso que vais crescer, e que um dia serás tu a ter força para me pegar ao colo, sinto um aperto muito grande no coração, porque só Deus sabe o quanto eu e o teu pai te amamos, e o quanto almejamos que sejas ainda mais feliz que nós.
Só te peço uma coisa, minha Sofia: cresce devagarinho. Um dia de cada vez, não tenhas pressas. Não arrumes as tuas bonecas no sótão cedo de mais, e não permitas que haja alguém que te diga que a fada dos dentes nunca existiu. Deixa-me pegar-te ao colo e beijar-te o rosto quando te levo à porta da escola e nunca recuses que te aperte essas bochechas pequeninas que herdaste do teu querido pai.
E sê feliz, pequenina! Sê feliz todos os dias, sê feliz como a mãe é, mesmo que nem sempre tudo corra como gostarias. Tens de ser forte, olha para mim. Olha para mim porque me esforço todos os dias para ser um exemplo para ti! Olha para o teu pai, porque ele, tal como eu, só quer iluminar o teu caminho e fazer de ti a pessoa mais acarinhada do Mundo.

Madalena



Sem comentários:

Enviar um comentário