Páginas

terça-feira, 13 de maio de 2014

"Vigia-me (...) mesmo quando achares que não preciso de ti."

Pai,
Escrevo-te para te dar os parabéns. Os parabéns por teres escolhido a mulher certa, a mãe certa para nós. Se estivesses aqui nem ias acreditar... Quer dizer, talvez fosses acreditar, afinal, conhece-la há mais anos que nós. A mãe está a ser tão forte, tão boa para nós. Tem sido o nosso grande apoio, a nossa principal fonte de força, de esperança e a pessoa que mais está, não a tentar substituir-te, mas sim a fazer de tudo para que sintamos a tua falta de uma forma boa, e não revoltada e triste como tenho sentido. A mãe também tem muitas saudades tuas, e anda muito triste, mas quando está connosco tenta não nos mostrar, porque sabe que, se agora se for abaixo, leva-nos com ela. Tenho tanto orgulho na mamã. Tu também tinhas, que eu sei. Lembro-me como se tivesse sido ontem o quanto a elogiavas, o quanto a amavas. Sempre pensara na vossa relação como um modelo, na nossa família como um exemplo, onde o amor estava sempre presente. Obrigada por a teres amado. Obrigada por ter sido com ela que nos tiveste, que nos deixaste.
Sabes... Ainda não acredito que partiste. Todos os dias me deito com a mana, e com a mãe, e peço, naquele meio segundo que espero fazer um dia a diferença, que voltes. A mãe vai ser sempre a mãe, e a nossa está a ser fantástica. Mas tu, papá... Tu também fazes falta. Não temos um homem em casa, não temos a tua proteção, a tua voz, a tua presença. Regressa. Preenche-nos o coração e faz com que esta revolta toda que sinto vá embora. Faz com que consiga chorar quando preciso e não só quando escrevo. Tenho tanta coisa aqui dentro. E a mãe... Ela também precisa de ti. Ama-te muito! Sempre te amou! E nunca, mas mesmo nunca, te vai esquecer. Eu sei que tinham planos para o resto das vossas vidas. Eu sei do quanto, para vós, o amor que sentem é eterno. Eu sei que, um dia, os vão concretizar.
Às vezes gostava de ser mais forte, de abraçar com mais força a mãe, de a fazer sorrir como só tu sabias. Ela e a mana são as pessoas que mais amo no Mundo. Precisamos tanto de ti. Onde quer que estejas, não nos deixes. Amo-te muito! Tal como a Carolina, a mãe. Somos as três mulheres da tua vida. Até a mais pequenina já está a crescer.
Um enorme beijinho. Vigia-me todos os dias, mesmo quando achares que não preciso de ti. Eu preciso.





2 comentários:

  1. Muito, mas mesmo muito, lindo, Conheço bem a dor e a revolta que sentes. também a sinto, Com o passar do tempo a dor dá lugar à saudade e os bons momentos serão sempre eternos, Leva a vida como ele te ensinou. Concretiza os teus (e os dele) sonhos e fá-lo sentir sempre orgulho em ti (sei que terá sempre, lá no lugar onde está). Tem a certeza que estará sempre contigo. Já passaram muitos anos desde que o meu pai também partiu (eu tinha sete anos), mais de 30 e ainda hoje busco o seu conselho em momentos de aflição, de dúvida, de angústia e ainda hoje sinto que ele zela por mim, tal como o teu pai sempre zelará por vós.
    Um grande beijinho, Francisca, e bem hajas por seres a menina-mulher que és.

    ResponderEliminar
  2. Parabéns , Francisca pela tua força. Bem-hajas pelo exemplo que transmites e pela maturidade que de ti emana. Continua assim, grande. Onde quer que o teu pai esteja, acredita que estará orgulhosíssimo por ti! Beijinho. Marco César

    ResponderEliminar