Páginas

quarta-feira, 20 de junho de 2012

20-06-2012

Parece que estás sozinho a atravessar um caminho escuro, silencioso e sombrio. Não vês nada, só ouves os teus pés a pisarem um chão molhado. Não sabes onde estás, porque continuas a caminhar. Mas não é por isso que páras, que hesitas. Continuas a andar, e questionas-te vezes sem conta porque estás sozinho, porque não caminhas com alguém ao teu lado. A certo momento, os teus pés começam a arrastar-se, o teu rosto parece agora estar cheio de lágrimas e deixas o teu corpo cair. Agarras em ti próprio e sussurras que ainda não é tempo de desistir. Dizes para ti mesmo que nada é em vão e que, se estás ali, é porque no final daquele túnel está algo que mereces. Ganhas forças vindas de um sítio que desconheces e encheste de coragem. Levantas-te, limpas a cara e continuas a caminhar. Às vezes caies, mas nunca ficas no chão. Aquele caminho era como a vida, por vezes estamos em baixo, mas há algo, ou alguém, que nos faz perceber que o nosso lugar é bem alto, longe do chão que pisamos. Aquele caminho, aquele longo e infinito caminho, era a vida. Era a viagem sem destino marcado, onde tu ganhavas o poder de escolher para onde querias ir, onde as tuas decisões te beneficiavam ou prejudicavam. E sim, podes ficar orgulhoso, não desperdiçaste a tua oportunidade. Vive a tua vida, sê feliz.



1 comentário:

  1. Ainda bem que concordas-te querida...não muita gente a perceber...

    :D

    Beijinhos *

    ResponderEliminar