Páginas

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Ainda hoje

Ainda hoje penso em ti. Ainda hoje choro por o meu pensamento não te tocar. Ainda hoje olho para o telemóvel na esperança que me ligues. Ainda hoje grito o teu nome quando estou sozinha em gesto de reza. Ainda hoje salto o mais alto que consigo na esperança de te alcançar. Ainda hoje tenho esperança que me aparecas à porta com um ramo de flores e digas "voltei". Ainda hoje espero que vejas o erro que cometeste ao pensar que alguém te podia amar mais que eu. Ainda hoje te vejo ao longe e imploro que a distância acabe. Ainda hoje acredito no teu "eternamente", ainda hoje espero que cumpras as tuas promessas.
Ainda hoje prezo o teu bem. Ainda hoje gosto de te ver a sorrir, ainda hoje me riu quando te vejo a comer, partes a comida aos bocadinhos e metes o garfo na boca como se fosse um avião. És engraçado, amoroso. Não sabes o que queres, e ainda hoje, depois de me teres abandonado, ainda hoje, depois de tudo aquilo que fiz por ti, continuas a ignorar-me e espezinhar o que sinto por ti.
De que vale ainda hoje gostar de ti?

Sem comentários:

Enviar um comentário