Páginas

sábado, 7 de janeiro de 2012

Carta para ninguém

"Hoje a lua está uma verdadeira circunferência perfeita. O clima está ameno, mas avizinha-se, segundo dizem, uma grande tempestade. Cá em casa está quentinho, e por debaixo destes cobertores de flanela, sinto-me aconchegada. Na minha mesa de cabeceira permanem-se as cartas que durante tantos dias a fim recebi, uma chávena de chá quente e um livro que me acompanha durante as noites mais calmas. Visto um pijama cor-de-rosa antigo que me foi oferecido na minha longínqua infância.
Amanhã penso que vou à missa e depois passearei o cão que me deste pelo Natal. Depois, penso que irei deitar-me de novo na cama e prosseguir as minhas leituras. Vai ser um dia sossegado, em que irei mais que uma vez recordar-te. Com saudade ou não, não sei explicar.
Nada mudou e eu continuo igual. Agora só falta tu regressares para ficar tudo normal, tudo em equilíbrio.
Um beijo na testa,
da pacífica lutadora."

5 comentários:

  1. É uma carta sem destino mas que deveria chegar ao destino certo. Onde estará? Nas lembranças ocultas de outras vidas? Não importa, relevante é o regresso.

    Bjs.

    ResponderEliminar
  2. Adorei tens razão identifiquei me imenso:)
    também te sigo beijo
    continua assim:))

    ResponderEliminar
  3. obrigada e ainda bem que gostas querida! :)

    ResponderEliminar
  4. tens razão! identifiquei-me mesmo... um grande beijo de boa semana *
    também te estou a seguir :)

    ResponderEliminar